top of page

AMEAÇA E PRESSÃO ANTRÓPICA EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Brenda Cunha Pereira
Bianca Caterine Piedade Pinho
Gustavo Francesco de Morais Dias
Debora Aquino Nunes
Beatrice Christine Piedade Pinho
Jodson Cardoso de Almeida
Sarah Brasil de Araujo de Miranda
João Silva Barbosa Júnior
Mírian Corrêa Dias
Érika Luiza Souza de Araújo
Stone Cesar Cavalcante da Costa

ISBN: 978-65-5889-198-7
DOI: 10.46898/rfb.9786558891987

Presentation

O bioma amazônico é de extrema importância para a manutenção dos serviços ecológicos. O processo de exploração da Amazônia tem como subproduto o desmatamento da vegetação nativa e a substituição de áreas de floresta por áreas de uso antrópico. Com o intuito de salvaguardar a biodiversidade e reduzir a expansão do desmatamento na Amazônia, as unidades de conservação (UC) são estabelecidas, porém, até as áreas protegidas podem ser um alvo de processos exploratórios. Portanto, este trabalho utiliza dados de monitoramento florestal para construir um diagnóstico ambiental das pressões sofridas por duas UC inseridas na região da BR-163, no Pará. As unidades escolhidas foram a Floresta Nacional (FLONA) do Jamanxim e o Parque Nacional (PARNA) do Jamanxim, que foram estudadas no período de 2008 a 2019. Os dados utilizados foram as imagens de uso e cobertura da terra da plataforma MAPBIOMAS, os pontos de focos de queimadas do BDQueimadas (INPE) e valores de desmatamento da plataforma Terra Brasilis (INPE). Os dados foram projetados e cortados para área do interior das UC e de um entorno de 10 km de cada, para que pudessem ser analisados os vetores de pressão e ameaça. Os resultados apontam que a FLONA, UC de uso sustentável, sofre muito mais pressão e ameaça que o PARNA, UC de proteção integral, tendo seus vetores de pressão e ameaça oriundos de regiões fora dos limites de outras áreas protegidas. Por sai vez, o PARNA possui um processo de exploração alarmante, apesar de menor que a anterior, e apresenta um padrão de desmatamento “sufocado” pela presença de muitas áreas protegidas vizinhas. Ao interpretar os vetores de pressão das duas unidades é possível observar a estrada como um vetor de desmatamento e UC vizinhas como um vetor de supressão do desmatamento.

Publication date:

27 de outubro de 2021 23:34:24

Gostou? Comente!
Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Share Your ThoughtsBe the first to write a comment.
bottom of page